segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Alguns Nomes Desafiadores, segundo a Numerologia Cabalística


Nome, mantra sagrado, carimbo energético, desafios pessoais a serem superados, vibração básica que nos direciona para a Luz!

A Numerologia estuda o significado oculto dos números e sua influência na vida de cada pessoa. Cada letra tem uma relação direta com um número possuindo, portanto, uma vibração específica associada a um arquétipo (modelo ideal).

O Nome, por ser constantemente repetido, influencia consideravelmente a vida, marca um padrão vibratório de acordo com o seu significado numerológico e direciona reações, comportamentos, sentimentos, tendências e potenciais pessoais que podem se expressar no equilíbrio ou no desequilíbrio!

Três ou mais números repetidos na triangulação de um nome sinalizam obstáculos e dificuldades referentes à vibração do número específico. Abaixo seguem exemplos de alguns nomes que trazem repetições numéricas excessivas.

PATRÍCIA - Repetição excessiva do número 2: problemas com parcerias, relacionamentos, equilíbrio emocional, diplomacia, compreensão, adaptabilidade.

CLÁUDIA - Repetição excessiva do número 3: problemas na área da comunicação e expressão pessoal, com criatividade, talento, relacionamentos, instabilidade emocional.

ELISABETE e ALICE - Repetição excessiva do número 4: problemas com as questões práticas do dia-a-dia, com ordem, método, disciplina, horários, regras, possível necessidade de controlar demasiadamente os processos e as dinâmicas pessoais, excessiva conceitualização e meticulosidade.

IRENE, MARLENE, CRISTINA e FÁTIMA - Repetição excessiva do número 5: dificuldade em apegar-se às parcerias, relacionamentos e família, excessivamente flexível ou dificuldade em adaptar-se às mudanças da vida, desequilíbrio na vivência dos prazeres, instabilidade emocional, tendência a excessos de toda ordem.

LEANDRO, DANIEL, DANIELA e DANIELE - Repetição excessiva do número 6: dificuldade nos relacionamentos, desequilíbrio na expressão dos afetos, idealismo excessivo, desconfiança, ciúmes, instabilidade emocional.

GABRIEL, GABRIELA, BERNARDO e FERNANDO - Repetição excessiva do número 7: tendência ao perfeccionismo, introspecção, apego ou aversão completa à magia, intensa sensibilidade, necessidade de se isolar para se refazer da instabilidade emocional, escapismo e fantasia como forma de proteção pessoal.

ÂNGELA - Repetição excessiva do número 8: Problemas com prosperidade, autoridade, poder, dinheiro, reconhecimento social e financeiro, sinaliza para a necessidade de muito trabalho para as recompensas acontecerem.

LEONARDO - Repetição excessiva do número 9: a repetição de 9 é bastante pesada energeticamente. Potencializa para problemas espirituais, sofrimento, abnegação ou, na sua polaridade inversa, egoísmo, necessidade de reconhecimento, rancor, dissimulação.

Algumas vezes, ao acrescentar o sobrenome, aparecem outras repetições, adicionando desafios, obstáculos, dificuldades, tendências e mais dificuldades.

A harmonização numerológica acontece através de acentuação gráfica que possibilita o desbloqueio desses obstáculos, o equilíbrio do potencial pessoal, a compreensão das habilidades, desafios e dificuldades pessoais.

Solicite maiores informações ou até mesmo um primeiro cálculo do seu nome, sem compromisso!

Lucimara Stráda
www.harmonizare.com.br

Numerologia Cabalística analisa alguns Sobrenomes Problemáticos


A Numerologia estuda as características vibracionais dos números e suas influências respectivas. Cada letra tem uma relação direta com um número, possuindo, portanto, uma vibração específica associada a um arquétipo (modelo ideal).

O Nome, por ser constantemente repetido, marca um padrão vibratório de acordo com o seu significado numerológico e direciona reações, comportamentos, sentimentos, tendências e potenciais pessoais que podem se expressar no equilíbrio ou no desequilíbrio!

O Primeiro Nome ou Apelido revela características íntimas. O Sobrenome sinaliza os padrões cármicos familiares. O Nome Completo representa o carimbo energético com que marcamos nossa passagem pela vida. O Nome Público ou Profissional está associado às vibrações mais sociais e externas.

Três ou mais números repetidos na seqüência da triangulação dos nomes sinalizam obstáculos e dificuldades referentes à vibração dessa repetição vibracional. Abaixo seguem exemplos de alguns Sobrenomes que trazem repetições numéricas excessivas:

TRAJANO, NASCIMENTO = repetição excessiva do número 1: portas fechadas para as oportunidades da vida, problemas com autoconfiança, liderança e audácia, dificuldade com autoridade, indecisão, receio, indisciplina, intolerância.

FERREIRA = repetições excessivas dos números 1 e 2: portas fechadas para as oportunidades da vida, problemas com autoconfiança, liderança e audácia, dificuldade com autoridade, indecisão, receio, indisciplina, intolerância. Tendência a confundir os sonhos com a realidade. Apego ao passado. Dificuldade em dividir ou compartilhar de forma equilibrada. Problemas com parcerias.

Da SILVA = repetição excessiva do número 4: problemas relativos à rotina do dia-a-dia, limitações, preso às regras ou com extrema dificuldade de seguir ordens e métodos sem questionar excessivamente, rigidez e inflexibilidade em relação às próprias opiniões.

MENEZES, MENEGATTI = repetição excessiva do número 5: instabilidade emocional, excessivamente flexível ou dificuldade em adaptar-se às mudanças da vida, dificuldade com as questões rotineiras, com responsabilidade e comandos, desequilíbrio na vivência dos prazeres.

MANTOVANI = repetições excessivas dos números 7 e 8: tendência ao boicote pessoal, perfeccionismo, possível dificuldade em lidar eficazmente com o mundo prático, distanciamento social, falta de fé em si mesmo. Desequilíbrio financeiro, problemas com prestígio, reconhecimento financeiro e social, dificuldade com autoridade e na expressão do poder pessoal, excesso ou falta de liderança e autoritarismo.

CARVALHO, DORNELES = repetição excessiva do número 8: desequilíbrio financeiro, problemas com prestígio, reconhecimento financeiro e social, dificuldade com autoridade e na expressão do poder pessoal, excesso ou falta de liderança e autoritarismo.

MEDEIROS = repetição excessiva do número 9: desapego material, tendência a sofrer por esperar que os outros sejam parecidos consigo, instabilidade emocional, extremos de generosidade, de paciência e de tolerância.


LUCIMARA STRÁDA
www.harmonizare.com.br

Signos Ocidentais e Chineses Relacionados - II


Signos Ocidentais e Chineses Relacionados - II


Libra/Galo (23 de setembro a 05/08 de outubro)
Líder, focado, determinado, exigente, perfeccionista mas também atento às características do outro, preocupado com o bem-estar dos demais, coerente e equânime. Dificilmente este Galo vai abandonar suas metas, desejos e objetivos para atender a demanda do grupo.

Libra/Cachorro (05/08 de outubro a 22 de outubro)
Dependência emocional um pouco além da conta nesta mistura de arquétipos. Libra é muito preocupado em atender a expectativa do outro. Cachorro pode ser muito dependente da aprovação e atenção do outro. É importante centrar seu desejo de satisfação pessoal sem necessidade de perder-se no atendimento alheio.

Escorpião/Cachorro (23 de outubro a 05/08 de novembro)
Aqui a mordida é forte! Seja motivado por ressentimentos, por ambição ou por vingança. Forte habilidade intuitiva, percepção e pressentimentos, intensa vinculação emocional, ímpeto sexual, gosto por aventuras, atração pelo incompreensível, mente inquiridora, personalidade passional.

Escorpião/Porco (05/08 de novembro a 21 de novembro)
Pura sedução, ímpeto sexual, plena qualidade de vida, entrega aos prazeres, sensorialidade, criatividade, feminilidade, espiritualidade latente, exagero em todos os sentidos, dificuldade com limites, disciplina e ordens externas. Vigor, resistência, otimismo, perspicácia, vinculação e por vezes dependência emocional maximizada.

Sagitário/Porco (22 de novembro a 05/08 de novembro)
Expansão da consciência, exercício constante do autoconhecimento através das trocas afetivas, amplo círculo social, atração por aventuras, otimismo exacerbado, credulidade, exagero em todas esferas, dificuldade com limites, atenção aos prazeres pessoais e às necessidades do outro, acolhimento, amorosidade e vinculação familiar.

Sagitário/Rato (05/08 de novembro a 21 de dezembro)
Expansão da consciência através da racionalidade, personalidade inquiridora, desejo constante pelo aprendizado e novas aventuras, sejam intelectuais ou sexuais. Inteligência, rapidez, autocontrole. Atração por fofocas e falatórios, dificuldade com vinculação e aprofundamento emocional, desprendimento material exagerado ou avidez e mesquinharia em todas as áreas.

Capricórnio/Rato (22 de dezembro a 05/08 de janeiro)
Foco, determinação, racionalidade, rapidez de raciocínio, capacidade de manter a calma frente a catástrofes, impetuosidade, ambição, prosperidade. Ou avareza, retenção financeira, incredulidade, dificuldade em se envolver emocionalmente, medo de empreender, insegurança com as próprias decisões.

Capricórnio/Boi (05/08 de janeiro a 20 de janeiro)
Trabalho, trabalho, trabalho! Férias? Depois se pensa nisso! Resistência, auto-exigência, centramento, vigor, racionalismo, excelente capacidade administrativa, trabalho à exaustão. Inflexibilidade, rigidez, limitação em desejos, metas e objetivos, pragmatismo, dificuldade em empreender e arriscar, por vezes preguiça e morosidade.

Aquário/Boi (21 de janeiro a 05/08 de fevereiro)
Enquanto Aquário encontra sua luz nas trocas racionais em seus relacionamentos, o Boi se tranqüiliza nos seus planejamentos mentais. Combinação que potencializa muita intelectualidade, impulso para aperfeiçoamento através de novos aprendizados, ambição, determinação, distanciamento emocional, obtusidade intelectual, por vezes rigidez e inflexibilidade.

Aquário/Tigre (05/08 de fevereiro a 19 de fevereiro)
Grande agilidade mental com foco e determinação, centramento e direcionamento para atingir suas metas. Individualidade, generosidade, ambição, percepção do todo, liderança, coragem, autocentramento, egoísmo, mesquinhez, frieza, inabilidade nas trocas afetivas, agressividade, calculismo.

Peixes/Tigre (20 de fevereiro a 05/08 de março)
O idealismo de Peixes se mistura com a agressividade e assertividade do Tigre impulsionando essa personalidade a atingir seus sonhos com mais facilidade. A emoção aqui é impulsionada pela ambição e conquista. Egoísmo e individualidade perdem um pouco a força de expressão.

Peixes/Coelho (05/08 de março a 20 de março)
Tanto o fazer pelos outros quanto o desejo de agradar incondicionalmente atinge sua expressão máxima nesta combinação de arquétipos. Muito político, perito na auto-preservação, habilidoso nos relacionamentos, tem dificuldade em separar suas emoções e desejos das expectativas do grupo, pode então lançar mão de falsidade para evitar se indispor com o outro.

Lucimara Stráda
www.harmonizare.com.br

Signos Ocidentais e Chineses Relacionados


Signos Ocidentais e Chineses Relacionados - I

Você é Geminiano/cavalo ou Geminiano/serpente?
É Virginiano/macaco ou é Virginiano/galo?

Áries/Coelho (21 de março a 05/08 de abril)
Misture a impetuosidade Ariana com autopreservação e habilidade de relacionar-se do Coelho. Resultado: personalidade carismática, política, posicionando-se com estilo, perspicácia e leveza. Muitos amigos, muitos compromissos sociais, muitas aventuras. A dificuldade em se comprometer e a volubilidade nos relacionamentos também podem ser percebidos.

Áries/Dragão (05/08 de abril a 20 de abril)
Agora a impetuosidade é destemida! O Dragão traz determinação, coragem, audácia, impertinência, prepotência, egolatria. Adicione as características passionais do Áries e administre essa explosão de poder! Muita intuição, muito pressentimento, impulsividade, desejo de aventura, teimosia e inflexibilidade.

Touro/Dragão (21 de abril a 05/08 de maio)
Bravo!! Esse Taurino sabe o que quer, sabe o que fazer para conseguir e tem toda resistência para chegar lá! Estabilidade, consistência e certeza pessoal, determinação, vigor sexual, pragmatismo, conservadorismo, inflexibilidade e também rigidez conceitual.

Touro/Serpente (05/08 de maio a 20 de maio)
Paciência, calma, contemplação maximizada. Todos objetivos são atingidos com segurança, tranqüilidade. Mágoas, rancor e ressentimentos também são acalentados por décadas! Foco, meta, objetividade temperados com perfil analítico e muito pressentimento.

Gêmeos/Serpente (21 de maio a 05/08 de junho)
Poder de comunicação e persuasão no ápice! Perspicácia, agilidade, rapidez de raciocínio. Sedução, envolvimento, relacionamento sexual sem comprometimento. Facilidade em se relacionar com as mais diferentes tribos. Fofocas, falatórios, mexericos, língua comprida, afiada e incansável também completam essa mistura.

Gêmeos/Cavalo (05/08 de junho a 20 de junho)
Impulso, ação, realização, determinação, agilidade, rapidez...eletrizante combinação de vigor sexual, desejo de aventuras com habilidade de sedução! Inteligência, raciocínio rápido, ambição, prosperidade, força, posicionamento claro, dificuldade em seguir regras e rotinas, rebeldia, independência, dificuldade em persistir diante de obstáculos e por vezes total falta de comprometimento!

Câncer/Cavalo (21 de junho a 05/08 de julho)
O ímpeto de ação do Cavalo é envolvido pela amorosidade e cuidado com o outro. Aqui a combinação permite apego à família e comprometimento emocional. Este canceriano será mais quente, mais leve, destemido e aventureiro. E este Cavalo se permitirá relacionamentos tranqüilos e duradouros sem precisar desbravar continuamente campos mais verdejantes.

Câncer/Cabra (05/08 de julho a 21 de julho)
Em equilíbrio temos sensibilidade, amorosidade, acolhimento, preocupação constante com o bem-estar dos outros, vínculo familiar e entrega emocional. Em desequilíbrio há o fácil abandono dos próprios desejos, ressentimento, mágoa e rancor, instabilidade emocional, teimosia, inflexibilidade.

Leão/Cabra (22 de julho a 05/08 de agosto)
Beleza, delicadeza, feminilidade, amorosidade, simpatia, carisma misturados com rebeldia, teimosia, inflexibilidade. Brilho, poder, determinação, coragem, imperatividade e assertividade temperados com extrema sensibilidade, insegurança, medo, apego e dependência emocional.

Leão/Macaco (05/08 de agosto a 22 de agosto)
Intenso desejo de brilhar e ser aplaudido pelos próprios êxitos, lutas e benefícios em causa própria, intenso poder de persuasão e convencimento, muita prosperidade, muitos ganhos e destino marcado pela glória e sucesso. Flexibilidade, agilidade, rapidez, esperteza, sempre impulsionado pela adrenalina de se colocar como alvo! Critérios, ética e leis existem para serem contornadas, sempree!

Virgem/Macaco (23 de agosto a 05/08 de setembro)
Brincalhão, alegre, amplo círculo social. Também muito sério, comprometido, determinado, focado, perfeccionista e auto-exigente. Critérios, éticas e leis são consideradas e respeitadas, por vezes de maneira extremada! Profissional sério, competente e comprometido com metas e objetivos!

Virgem/Galo (05/08 de setembro a 22 de setembro)
Inteligência, destreza e rapidez intelectual, racionalidade, empreendedorismo, excelente capacidade administrativa. Suas exigências, perfeccionismo, inflexibilidade, teimosia, frieza e distanciamento emocional podem trazer obtusidade em momentos crucias da sua vida.



-- demais signos na parte II


Lucimara Stráda
www.harmonizare.com.br

domingo, 18 de novembro de 2012


Quase final do ano!

Será que eu aproveitei os potenciais desse período?

Tive insights sutis ou a vida precisou me trazer experiências mais powers?


Vários arquétipos se dispuseram a me ajudar neste período de 2012, com seus potenciais clarificadores...

- intuição, poder, espiritualidade, ação imediata para fazer a Minha mudança - através do Dragão (regente da astrologia chinesa);

- proteção do intangível e capacidade para equilibrar a espiritualidade na minha vida prática - Hierofante (vibração numérica do ano de 2012 = 5);

- luz do Lua (regente da astrologia ocidental) para exercitar minha feminilidade, amparo e compaixão, para honrar meu passado e interpretar minhas emoções individuais;

- poder, autoridade, liderança, equanimidade, equilíbrio de emoções de Quian, o Imperador (Trigrama do Feng Shui).

2012 está sendo um ano de muitos questionamentos, de muitas percepções!

Um ano para eu encerrar com a superficialidade que não tem mais lugar na construção da minha história!
Um ano de comprometimentos com os Significados das minhas contratações!

Ainda tenho alguns bons dias para me inspirar, para serenar, para aquietar e sintonizar com a melhor expressão energética deste ano!

Em casa, vou encontrar um local onde eu possa “manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranqüilo”, quanto mais cedinho melhor, antes de iniciar minha rotina diária, vou destinar 10 ou 15 minutinhos para ficar em silêncio, ficar em silêncio para ouvir meu som interior, ....simplesmente parar... mas parar mesmo!

Posso me retirar para meu centro divino, inspirar/expirar, enviar minha energia para o Universo, fazer decretos, acender vela e incenso, ritualizar! 


Também posso respirar e permitir acessar minhas emoções no momento que a sirene interna gritar. Posso ouvir uma música e elevar meu espírito em conexão!

O importante é, sim, ritualizar para sacralizar as mudanças, para me comprometer com o que eu quero!


Seja na alegria, na tristeza, na instabilidade ou mesmo quando a mente estiver em stand by e tudo parecer sem sentido, ainda assim posso Confiar que estou no meu caminho!

A forma não importa muito, não existem regras. O que não vale é fazer por fazer, o que não vale é me poupar!

Desejo intensamente muita Luz ... para o resto desses dias, antes do 'fim do mundo' acontecer!:)

Lucimara Stráda
www.harmonizare.com.br

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O Feng Shui numa Abordagem Transpessoal



Segundo a física quântica tudo o que existe está interligado energeticamente e esta conexão é auto influenciada pelo posicionamento frente à percepção pessoal. O paradigma quântico nos permite ir além da realidade de nossos cinco sentidos, cientificamente somos então autorizados a ampliar a abordagem do universo que nos circunda.

Baseados nesses conceitos, podemos intuir que existe uma prévia disposição energética, antes da manifestação da forma, configurando a orientação e o movimento dos átomos e moléculas, vibrando num campo eletromagnético e possibilitando assim a materialização da realidade de acordo com a consciência da percepção pessoal.

A construção passa a ser compreendida como um espaço dinâmico e atuante, em interação direta com seu morador. O Feng Shui, numa abordagem transpessoal, se propõe a maximizar o autoconhecimento através de uma conexão com a alma da casa. 

Alma esta que se manifesta através dos sons e aromas especiais, texturas e sabores deliciosos, através da plenitude dos nossos sentidos neste local único que concretiza nossos gostos e estética pessoal. Nessa vinculação podemos encontrar o próprio eu, descobrindo quem sou realmente e quem eu gostaria de ser, onde gostaria de evoluir.

É possível enxergar a minha vida mediante relação que tenho com a minha casa. A partir de uma significação da casa com um ‘útero’, que pode além de cumprir com as necessidades básicas existencial de refúgio e amparo também gerar oportunidades que me permitam desenvolver a plenitude do meu potencial de individualidade, posso ali registrar meu próprio modo de ser, minha história autobiográfica, e, consequentemente, me reconhecer.

Percebemos de forma diferenciada, agimos, reagimos e nos relacionamos de forma mais completa quando nos comprometemos com o processo de transformação interior, quando aceitamos novas dimensões da realidade e ampliamos, desta forma, a consciência sobre tudo o que existe.

Lucimara Stráda - nov/12 - www.harmonizare.com.br

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Psicologia da Casa



Um Passeio pela Casa
A forma como organizamos, decoramos, cuidamos da nossa casa pode revelar sobre nossos sentimentos, pensamentos e atuação no mundo. Projetamos neste local que ancora nossa memória e nossa história de vida a percepção que temos a nosso próprio respeito e sobre como interpretamos o mundo.

A atenção dá origem a um desejo de harmonia. A atenção, sozinha, inspira tudo o que precisa ser feito. Ao olhar com atenção para os cantos desarrumados, para armários entulhados, livros, revistas e jornais empilhados, infiltrações, rachaduras, vasos vazios, jardim abandonado, pintura para ser refeita, pó sobre os incontáveis enfeites da estante que já deixaram de ser vistos, podemos clarificar as projeções inconscientes para impulsionar o processo de individuação.

O conceito de individuação foi criado por Jung para descrever um processo de ampliação da consciência da personalidade individual para uma totalidade do Si-mesmo. A partir dessa ampliação da consciência a pessoa identifica-se menos com condutas, crenças, valores sociais, está ancorada por um mecanismo de auto-realização e tem assimilado as quatro funções (sensação, pensamento, intuição e sentimento), definidas conceitualmente em sua teoria dos Tipos Psicológicos.[1]

O convite é para olhar atentamente para dentro, de si e da casa, interpretar os aspectos de nossa vida ali refletidos, para decifrar e mudar, criar novos hábitos sem ilusões de impossibilidades. Ter coragem para assumir nossos desejos e nos responsabilizarmos por eles! E então maximizar um comprometimento efetivo com as mudanças que nos desafiam!
Vamos prosseguir este passeio pela casa construindo uma analogia da Casa com a psique, ou seja, com as várias instâncias da nossa mente consciente e inconsciente.

A Fachada da casa é interpretada como a persona, a máscara utilizada para convivência social. O Telhado simboliza o local que abriga a consciência. Numa casa com níveis, no Sotão encontram-se analogamente memórias, desejos, pensamentos reprimidos, pode-se associar aqui a conexão com o Self. O Porão, respectivamente, está relacionado ao inconsciente, aos instintos, à sombra, também com a mente inconsciente e a intuição. O chão ou piso da casa representa a sustentação, a base, o limite entre a consciência e o inconsciente.[3]

A Porta de entrada principal da casa simboliza a transição entre dois cenários, externo e interno, consciente e inconsciente, sociabilidade e intimidade, exposição e proteção. Nesta simbologia acrescentamos o convite à passagem. Toda porta se abre para um caminho. Possuindo um valor psicológico e dinâmico, faz um convite para passar a um estado diferenciado. Simbolicamente, essa passagem pode ir do profano ao sagrado, assim como os portais dos templos e das catedrais, da luz para a sombra, pode abrir o acesso a um outro nível de consciência.

Corredores podem ser associados a veias, quando ligam os diversos cômodos estão permitindo uma conexão interna no sentido horizontal. Compridos ou curto, estreitos ou amplos, claros ou escuros, liberados ou entulhados, decorados ou abandonados. Como estão os trajetos da vida?

Escadas oportunizam acessos a níveis diferentes, entre um andar e outro existe uma escada que precisa ser trilhada, elas interligam energeticamente a vida no sentido vertical. Posso atentar para esta área da casa para ancorar um movimento de descida às sombras (porão) ou de subida aos insights (sótão).

Associada à alquimia da transformação dos alimentos, a Cozinha é o local onde também se processam as transformações e o resultado desejado está relacionado com nutrição, amparo, afeto. Pode aqui ser o primeiro local onde a própria psique se alquimiza mediante fogo da transformação, matendo a essência mas alterando a forma. Talvez a Cozinha esteja com os armários entulhados, uma que outra portinha desalinhada, gaveta meio que emperrada. Será que também o nosso peso está excessivo, estamos retendo emoções? Ou o coração é percebido apertado, a melancolia e a solidão precisam ser interpretados?

Na Sala de estar é onde acontecem as reuniões sociais, o relacionar-se com amigos e conhecidos. Adentrar atentamente neste espaço pode revelar a imagem que exteriorizamos, as crenças básicas sobre quem somos e sobre o que é esperado de nosso posicionar-se na vida. Como está este local? A espuma do sofá já era ou escapou uma mola? A Sala está sempre bagunçada, objetos fora do lugar? O abajur com a lâmpada queimada? E os meus amigos, as minhas parcerias, há quanto tempo não sei muito bem deles? E os meus objetivos, estou conseguindo concretizar? Encontro na Sala uma perspectiva sobre meus relacionamentos sociais, e também meu posicionamento de ordem e questões práticas.

O Dormitório ancora aspectos do próprio Self que residem na intimidade e na entrega emocional, na vulnerabilidade de uma vinculação de alma com o outro. Perguntas relacionadas com romance e vida sexual surgem neste cômodo. Como será que anda a vinculação efetiva com o meu desejo de encontrar um parceiro?

Além de urgências instintuais, o Banheiro também está relacionado com a Espiritualidade. Ali somos quem somos, sem máscaras ou representações. Esse espaço também pode significar purificação e auto renovação. Neste espaço paradoxal da casa podemos descobrir sobre a transcendência e nossa conexão com o Divino, encontrar nossa espiritualidade no único local da casa onde é permitido trancar a porta sem ser incomodado! Louças e azulejos amarelados, rejuntes manchados, torneira pingando, toalhas puídas, espelho oxidado? Quase sem espaço para relaxar e me entregar? Ok, normalmente podemos conviver mais um pouco com esse descaso. Usualmente deixamos isso por último!

Ao arrumar a casa deixamos ali um pouco da própria energia, que vai impregnando energeticamente esse local e criando um cenário único, sintonizado com nosso saber de Si, mesmo que inconsciente. É a combinação de atenção, dedicação, organização e vinculação que pode criar a sinergia para a transcendência.

É no um refúgio da nossa residência que também temos permissão para uma plena e livre expressão pessoal. A imagem arquetipal de refúgio remonta à antiguidade quando os ancestrais utilizavam as cavernas para proteção às ameaças externas, tanto de intempéries naturais quando do ataque de predadores. Esse sentimento primitivo permanece conosco e aciona sensações de abrigo, conforto, amparo e segurança quando retornamos à casa, atributos esses essenciais para ancorar nosso bem estar físico e psicológico.

Acionamos o campo das sensações em nossa casa quando estamos entregues e integrados ao ambiente reconhecidamente familiar, quando significamos um pertencimento pessoal a este local.

Aromas, sons, imagens, decoração, estética agradável aos sentidos, criam condições para que a atenção se volte para nós mesmos. Na simplicidade, sem excessos de móveis e objetos, e com o ambiente organizado, conseguimos racionalmente prestar atenção aos nossos sentimentos, pensamentos, emoções.

Vestir a casa com carinho, com delicadeza e conceder-lhe a real importância de lar, ninho, colo é decisão de primeira ordem. Arrumar a casa revela outras perspectivas, acelera mudanças, concretiza desejos, traz novas definições!

Lucimara Stráda - nov/12 - www.harmonizare.com.br          


[1] GUIMARÃES, C. A. F. Carl Gustav Jung e os fenômenos psíquicos. São Paulo: Madras, 2004.
[2] BACHELARD, Gaston. A Poética do Espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
[3] CHEVALIER, Jean & GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Rio de Janeiro: Editora José Olímpio, 2002.

Encontro da Totalidade do Ser na sua Residência



O Ser Integral Significado no Local de Moradia

Carl Gustav Jung (1875-1961) dedicou boa parte da sua vida no estudo da consciência humana que também é o objeto de estudo da Psicologia Transpessoal ao conceituar o Ser Integral.

Para Jung cada fase de evolução da consciência é acompanhada por um símbolo, para ele o mecanismo que transforma a energia é o símbolo. Nesta base teórica ancoramos as significações universais ou arquetipais referentes ao local de moradia para impulsionar uma transformação da consciência pessoal.

O envolvimento de Jung com a alquimia e a influência dos estudos do seu paciente, o físico Wolfgan Pauli, sobre a mecânica quântica, levaram ambos a concluir que existe um outro nível, que não é material nem psíquico, por detrás tanto da matéria quanto da psique.

A mecânica quântica considera que a matéria pode estar em mais de um estado físico ao mesmo tempo. E neste ponto se aproxima do conceito de sincronicidade. Jung desenvolveu esse conceito para definir acontecimentos que se relacionam mediante mesma significação, não por causalidade.

De acordo com os conceitos de Jung, a sincronicidade acontece quando a realidade psíquica e a realidade física se encontram. Eventos sincronísticos fizeram com que ele definisse arquétipo como algo mais do que um fenômeno psicológico, também um modelo padrão que pertence à própria realidade e que pode tanto afetar a psique quanto a matéria.

Acontece a sincronicidade quando eventos ou situações específicas coincidem num padrão significativo. A partir da compreensão espontânea desse fenômeno, que passa longe da via mental, pode-se ter revelações instantâneas. A isso Jung denominava ‘insight’. Conclui-se assim que eventos sincrônicos entre corpo e psique podem oportunizar insights de evolução pessoal.

Neste substrato que existe por detrás da matéria e da psique, num estado indiferenciado de energia, se localizam os arquétipos, esse é o nível da psique coletiva.

Arquétipo pode ser compreendido como as ideias de um primeiro modelo ou imagem de alguma coisa, um padrão original que contem todas as coisas existentes mas que não possui forma fixa ou pré-definida.Jung usou esse termo para conceitualizar estruturas que servem de molde para a expressão e o desenvolvimento da psique, a partir de “imagens primordiais” que existem desde os tempos mais antigos.

Nas palavras de Jung:
 “Existem tantos arquétipos quantas as situações típicas da vida. Uma repetição infinita gravou estas experiências em nossa constituição psíquica, não sob a forma de imagens saturadas de conteúdo, mas a princípio somente como formas sem conteúdo que representavam apenas a possibilidade de um certo tipo de percepção e de ação.” [1]

Jung dizia que o inconsciente traz conteúdos internos para se expressar sobre as situações externas mediante um gatilho de projeção, sem a participação do ego.

Neste processo de projeção acontece uma conexão direta entre o conteúdo psíquico e o objeto ou situação que serve à projeção e desta forma é possível perceber, interpretar ou traduzir conteúdos inconscientes que oportunizam uma evolução da consciência.

Segundo Ken Wilber a psique é reconhecido no nível do ego, a integração psique/soma é trabalhada no nível existencial, no nível transpessoal a pessoa pode experimentar e reconhecer em si mesmo experiências psicoespirituais mais amplas. E no nível da mente, que para ele expressa a unidade, a Consciência une-se com a energia básica do Universo.[2]

Na Abordagem Transpessoal a busca é do despertar da Consciência, aqui ancorada mediante integração dos elementos do eixo experiencial (razão, emoção, intuição e sensação).

Numa interpretação simbólica da casa encontra-se um recurso de expansão da consciência mediante interpretações de conteúdos psíquicos uma vez que todo símbolo exprime projeções inconscientes. Na relação de totalidade com o mundo, o habitar humano constitui sua característica essencial.

Quando olhamos efetivamente para a nossa casa podemos entender mais sobre nós mesmos, na atividade de habitar podemos nos aproximar de nossa essência, alcançar a plenitude do nosso verdadeiro ser. Habitamos a nossa casa antes de habitarmos o mundo.

A prática de olhar atentamente para o interior deste espaço de moradia com o objetivo de descobrir-se projetado nos próprios gostos, decoração, estética pessoal oportuniza um processo de trazer à consciência características íntimas que nos aproximam da totalidade do Ser.

Lucimara Stráda - nov/12 - www.harmonizare.com.br
 


[1] HALL, Calvin S. & NORDBY, Vernon J. Introdução à Psicologia Junguiana. São Paulo: Cultrix, 2005.

[2] WILBER, Ken. Psicologia Integral: consciência, espírito, psicologia, terapia. São Paulo: Cultrix, 2002.